23 Maio 2012
Os acidentes rodoviários, de trabalho e domésticos, em debate no próximo dia 1 de Junho
Os acidentes rodoviários, os acidentes de trabalho e os domésticos, suas causas e consequências, serão alvo de discussão por um painel de oradores nacionais e internacionais, no próximo dia 1 de Junho, na Culturgest, em Lisboa.

O III Congresso “Prevenir e Reparar: Acidentes em Tempo de Crise”, organizado pela Liberty Seguros em parceria com o Instituto Nacional de Medicina Legal (INML, I.P) e a Associação Portuguesa de Avaliação do Dano Corporal (APADAC), visa refletir sobre o efeito da crise na sinistralidade, alertando para a importância da sensibilização e mobilização social em relação aos riscos e à prevenção dos acidentes.

Durante um dia, os oradores convidados irão apresentar e debater os reflexos da atual crise sobre a Sinistralidade Rodoviária, Doméstica e Laboral e as mais recentes práticas internacionais e iniciativas que estão a ser implementadas no campo da prevenção e da reparação dos acidentes.

 “Acidentes: um problema global”, “Crise e Prevenção”, “Segurança Automóvel: em direção a um futuro seguro” e “Reparar o Dano” são os quatro grandes temas que irão orientar as sessões de trabalho deste Congresso. A sessão de abertura conta com a intervenção do Ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, e a sessão de encerramento com a intervenção do Secretário de Estado  da Administração Patrimonial e Equipamentos do Ministério da Justiça, Fernando Santo.

Recorde-se que o atual panorama da Sinistralidade Laboral em Portugal aponta para que, nos últimos dez anos, tenha havido uma redução de apenas 1/3 dos Acidentes de Trabalho Mortais (ATM), ou seja, dos 320 casos registados em 2001 houve uma diminuição para 130 registos em 2010. Anualmente, morrem na União Europeia 8900 pessoas, vítimas deste tipo de sinistralidade.

A Construção Civil e Indústria Transformadora são os setores de atividade que maiores ocorrências registaram, sendo que a queda em altura é a maior causa apontada e o Stress no Trabalho o principal fator que desencadeia os acidentes laborais. Um facto importante a reter nesta matéria é que entre 30 a 55 por cento dos acidentes laborais são, na realidade, acidentes de viação.

No que toca à Sinistralidade Rodoviária no nosso país, os dados mais recentes revelam que, em 2011, mais de 690 pessoas perderam a vida em acidentes na estrada, aos quais se junta um total de 2436 feridos graves e mais de 39.726 feridos ligeiros. O excesso de velocidade, as manobras perigosas e o consumo excessivo de álcool são as três principais causas neste tipo de acidentes, às quais se juntam as deficiências de acuidade visual não vigiadas, situações de fadiga e o uso indevido do telemóvel.

Site do Congresso: http://www.highevents.com.pt/congressoprevenirereparar/home.